Blog da Univittá

Efeitos da adição de leveduras vivas na dieta de equinos em treinamento aeróbico sobre o aproveitamento dos nutrientes da dieta

Efeitos da adição de leveduras vivas na dieta de equinos em treinamento aeróbico sobre o aproveitamento dos nutrientes da dieta

Adalgiza Souza Carneiro de Rezende1, Pablo Trigo2, Vinicius Pimentel Silva3, Eloisa Oliveira Simões Saliba1, Rafael Santstevan4, Francisco Castejón Montijano4.

1 Professora associada / Depto de Zootecnia /Escola de Veterinária /UFMG adalgiza@vet.ufmg.br
2 Médico Veterinário /Centro de Medicina Desportiva/ Faculdad Veterinária/ Universidade Córdoba/ Espanha
3 Doutorando do programa de pós graduação em Zootecna/Escola Veterinária /UFMG
4 Profesor Catedrático de Fisiologia Animal /Faculdad de Veterinária/ Universidad de Córdoba/ Espanha
Os probióticos são microorganismos vivos utilizados como aditivos nutricionais para diversas espécies animais, porém seus benefícios para o cavalo atleta ainda não foram comprovados. Espera-se que as leveduras vivas possam incrementar o desenvolvimento da microbiota presente no intestino grosso dos equinos em treinamento o que favorecerá o aproveitamento do alimento volumoso, aumentando a produção dos ácidos graxos voláteis que serão aproveitados como fonte de energia. Com isso, esses animais levarão mais tempo para utilizar sua reserva de glicogênio, o que poderá adiar a fadiga. A melhoria da atividade microbiana poderá ainda incrementar a produção de fitase pela microflora o que disponibilizará mais fósforo dos fitatos presentes no alimento concentrado aumentando a disponibilidade de ATP para o exercício. O ensaio experimental foi desenvolvido no Centro de Medicina Veterinária Desportiva na Universidade de Córdoba-Espanha e objetivou avaliar os efeitos da adição de leveduras vivas da dieta de equinos, em treinamento aeróbico, sobre a digestibilidade dos nutrientes. Doze machos da raça Andaluz (idade entre 2 e 3 anos e peso entre 404 e 469 kg) foram treinados durante 6 semanas, sendo que em cada semana os animais trabalharam durante 6 dias. Em dias alternados o exercício era feito em uma esteira ergométrica (Mustang) e nos outros dias os animais caminhavam durante uma hora em um caminhador automático (Agrobobrocker-Legalop) com velocidade de 5 m/s. Na esteira, sem inclinação, o exercício consistiu de 5min no passo (1,6m/s), 5min no trote (3,5m/s) e com inclinação a 3%, os animais desenvolveram 30min. no trote a uma velocidade de 80% do umbral aeróbico, determinado em uma prova prévia, utilizando-se uma máscara respirométrica (Metavet,Cortex, Alemanha), através da equação deAunola e Rusko (Amann et al, 2004) e finalmente realizaram 5min no trote (3,5m/s) e 5min. no passo (1,6m/s) com a esteira sem inclinação.Antes de iniciarem o treinamento os animais foram distribuídos nos grupos Probiótico ou Controle,minimizando as diferenças entre idade, peso e limiar aeróbico. O grupo Probiótico recebeu diariamente 20g de um composto contendo leveduras vivas (mínimo de 1 x 1010 ufc de Saccharomyces cerevisiae/g). A dieta oferecida aos animais dos dois grupos experimentais consistiu de haylage de Perennial Ryegrass-Lolium perenne (Natural Grass Agrocoeli S.I) e concentrado comercial (Pro Horse Mix-Cargill S.L.U). Semanalmente os potros foram pesados e avaliados quanto à condição corporal. A cada pesagem se calculou 2,5% do peso dos animais que correspondeu a quantidade diária de alimento (base matéria seca) a ser oferecida diariamente. A proporção volumoso:concentrado semanal variou de 70:30 a 50:50, dependendo da condição corporal dos animais Nos últimos 7 dias do treinamento, os cavalos receberam o indicador LIPE® diariamente, e a coleta de fezes foi feita nos 5 dias finais. Os nutrientes analisados foram: MS, PB, Ca, P, ED, FDN, FDA e lignina. O delineamento foi inteiramente casualizado e as médias comparadas pelo teste de SNK a 5% de probabilidade. A digestibilidade da hemicelulose (76.25+2.37 vs 73.27+2.12) e energia digestível – ED (3,21Mcal/Kg vs 3,1Mcal/Kg) foi maior no grupo Probióticos (P<0.05). Os aditivos probióticos, compostos por leveduras vivas, podem ser adicionados na dieta de equinos em treinamento aeróbico visando aumentar a digestibilidade da fração fibrosa e ED da dieta, a fim de incrementar o aporte energético para esses animais.
Palavras chave: cavalo atleta, exercício, probióticos, aditivos nutricionais

Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Compartilhe este post:

Postado Por: Administrador

Administrador

Gostou deste post? Deixe seu comentário