Blog da Univittá

Efeitos da Suplementação com o Crescer em potros

Efeitos da Suplementação com o Crescer em potros

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO COM O CRESCER®EMPOTROS

EFFECTS OF SUPPLEMENTATION WITH CRESCER®INFOALS

Nayara Patrícia S. Soares1Nicoli Viviane C. Almodovar1 Nilson Santos1

1 Graduandodo curso de Medicina Veterinária - UNISO

Talita Ibelli Muche2

2 UnivittáSaúde Animal

Henry Wajnsztein3

Ana Carolina Rusca Porto3

3 Docentedo curso de Medicina Veterinária

 

                                                                   

RESUMO

O Crescer® é um suplemento desenvolvido com oobjetivo de auxiliar o crescimento de potros, esse produto é composto poraminoácidos essenciais para eqüinos, além de prebióticos e probióticos. Essesaminoácidos ajudam a diminuir a destruição de proteínas intracelulares para usoem energia, além disso, o produto apresenta como benefícios, auxiliar nodesenvolvimento corpóreo de potros, auxiliar no ganho de massa muscular,complementar dietas com baixa ingestão protéica e auxiliar na recuperaçãofísica de animais em treinamento. Os prébióticos são compostos que atuambeneficamente sobre a modulação da microbiota nativa, sobre o sistema imune esobre a mucosa intestinal, melhorando os processos de digestão e absorção dosnutrientes. Já os probióticos têm como finalidade promover a saúde do animal,pois age no trato gastrointestinal, respiratório, urogenital e também comopromotor de crescimento. A avaliação da toxicidade se faz necessária paragarantir a segurança do produto .Com isso, o objetivo do presente trabalho foiavaliar a segurança do produto em diferentes doses em potros, bem como avaliar asua eficácia. Foram utilizados 9 animais da raça PSI  com idade média de um a dois anos,localizados no Haras Capricórnio e Haras Já Se Vieram, na cidade de Sorocaba-SP. Foram formados 3 grupos, o grupo 1 (G1) foi formado por animais que nãoreceberam o suplemento, ou seja, o grupo controle, o grupo 2 (G2) foi formadopor animais que receberam a dose recomendada de 90g e o grupo 3 (G3) foiformado por animais que receberam a dose máxima de 150g. Para as avaliaçõesmorfológicas os animais foram pesados e a altura mensurada5 vezes, nos dias 0,14, 28, 42 e 56. Coletas de sangue foram realizadas nos dias 0, 7,14 e 21 pararealização de análises bioquímicas como uréia, creatinina, as partatoaminotraferase(AST), gama GT (GGT) e fosfatase alcalina (FA). Asuplementação com Crescer® misturado à ração teve boa aceitaçãopelos animais. Observou-se que os animais responderam de forma positiva àsuplementação, evidenciado pelo aumento de altura e ganho de peso superior aodo grupo controle. Observou-se também que os exames bioquímicos nãoapresentaram nenhuma alteração, o que sugere que tanto a dose recomendada comoa dose máxima não apresentaram nenhuma toxicidade e um bom nível de segurança.

Palavras-chave: Crescimento,segurança, toxicidade,potros.

 

ABSTRACT

Crescer® is asupplement that was developed with the objective of improving the growth infoals. Its composition contains essential aminoacids for equines, prebioticsand probiotics. Aminoacids helps in reducing the destruction of intracellularproteins consumed by energy. Besides that Crescer® presentsother benefits that enhance corporeal development and muscular growth in foals,complementing the feeding with lowprotein ingestion, as well as physicalrecuperation in animals under a training program.  Prebiotics arecompounds that perfom a beneficial modulation of the native microbioticsof the immunological system and the intestinal mucus, therefore, improving thedigestive process andabsorption of nutrients.  On the other hand,probiotics assure the health status of the animal, due to their action on thegastrointestinal, breathing and urogenital tracts besides intensifying thegrowth pace. It is necessary to evaluate its toxicity in order to guaranty thesafety ofthe product.  Therefore, the objective of this trial is based onthe evaluation with respect to safety in the administration of the productinfoals, at different dosages andevaluate its effectiveness. This trialincluded 9 PSI animals with an average age from one to two years, locatedat Haras Capricórnio e Haras Já Se Vieram and were conducted to Sorocaba-SP. Thefoals were divided in three groups:  group 1- control group formed byfoals to which nosupplement was administeredso it became the control group 2-(G2) formed by foals  to which was administered the recommended dosageof  90 grams and group 3 (G3) formed by foals to whichwas administered  a maximum dosageof 150 grams. For morphologicalevaluations, the animals had weight and measures registered five times a day,on Days 0.14.28.42 and 56.  Blood collectionmade on Days 0.7.14 and 21 forbiochemical parameters such as urea, creatinine, aspartate aminotraferase (AST),GT gama, (GGT) and Alcalinephosphstasis (FA). The Crescer* supplement was mixedto their feeding and it was very well accepted by the animals.  It wasobserved that the foals respondedin a positive way to the supplementaction,evidenced by an increase in their height and weight, superior to that ofthe Control Group.It must be noted that the biochemical tests did not presentany alteration suggesting that, either the administration of the recommendeddosage, or the maximum dosage did not presentany toxicity and, therefore, showed a good level of safety. 

 

Key words: Growth,safety, toxicity, foals.

 

INTRODUÇÃO

Asexigências nutricionais dos eqüídeos são dependentes da idade, taxa decrescimento, capacidade digestiva e metabólica, desempenho, altura, sexo, disponibilidadedos nutrientes nos alimentos, inter-relações entre nutrientes, clima, condiçõesambientais. O consumo de proteína e energia são os fatoresnutricionais que mais influenciam o crescimento de potros jovens além de outros, de acordo com NRC (1989).Portanto,a ingestão de níveis adequados dessas frações nutricionais proporciona aoanimal uma taxa de crescimento que lhe possibilita exteriorizar todo seupotencial genético. O manejo alimentar adequado dessa categoria é essencialpara evitar problemas futuros, ao possibilitar uma menor incidência detranstornos nos membros locomotores, e assim maior longevidade e maximização deseu potencial atlético (POTTER et al, 1992; JACKSON; PAGAN, 1993; LEWIS, 2000).

Ocrescimento do potro começa durante a fase fetal e a partir do 8º mês degestação o feto se desenvolve rapidamente e após o parto continua seudesenvolvimento até que o animal atinja o seu peso adulto (COTTAet al, 1988). É sabido que até 12 meses o potro atinge 90 % de sua altura de umanimal adulto (Rezende et al,2000). Segundo também Vasconcelos et al (2010) a altura de cernelha dos potroscorrespondem a mais de 90% docrescimento desses animais. Concordando com Cabral(2004) e Paganet al (1996) os parâmetros morfométricos de peso, altura dacernelha e comprimento com corpo são importantes para a avaliação dodesenvolvimento do potro. Para Mota et al (2010) dentre todas as correlaçõesfenotípicas observadas no cavalo quarto de milha a altura de anca e cernelhaforam os parâmetros de menor variabilidade.

O fechamento da placa epifisária, o peso e a alturasão parâmetros importantes para avaliar a maturidade do esqueleto dos eqüinos,existem animais como a raça crioulo que a placa de crescimento não é maisobservada entre 6 e 7 meses, e isso é importante para se obter o melhor manejonutricional nas diferente raças (MATTOSINHO et al, 2009).

Conforme Soares (2007),a introdução errônea de suplementosalimentares que não respeitam cada indivíduo e as diferentes necessidadesnutricionais que variam para cada um, levando em conta a raça, a fisiologia e otipo de treinamento do animal, pode desencadear o surgimento de problemasósseos, articulares e tendinosos. Portanto para se obter uma nutrição adequada,é necessário que o animal receba quantidades balanceadas de nutrientes, osquais podem ser divididos em proteínas, carboidratos, lipídeos, vitaminas eminerais.

A lisina é obtida através da dieta, quando é oferecidoao potro torta de algodão, milho e sorgo e leite em pó desnatado, que são osalimentos mais ricos nesse aminoácido (JARRIGE E TISSERAND, 1984; OTT et al.,1979). A lisina tem grande importância nos primeiros meses após o desmame,influenciando principalmente o ganho de peso (JORDAN; MYERS, 1972).

            O crescimento de potros desmamados com o incremento delisina na ração passa de 370 g/dia para 730 g/dia, deacordo com de Cotta etal (1988).

            Jáa levedura viva Saccharomycescerevisiaeentracomo alternativa de suplementos alimentares devido às propriedadesantimicrobianas, inibidoras ou redutoras do crescimento de micro-organismospatógenos, associada à melhora das barreiras imunológicas no intestinoregulando as atividades inflamatórias (PALAGI, 2015).

            Osuplemento crescer é desenvolvido para auxiliar o crescimento de potros,mantendo o equilíbrio corpóreo esquelético e muscular. Indicado para todos osequídeos em desenvolvimento e principalmente para aqueles com atraso ou déficitdo crescimento. Este suplemento é composto por aminoácidos de cadeiaramificada, sendo os principais a Leucina, a Isoleucina e a Valina, osquais são essenciais para os equídeos. Sabe-se que cerca de 35% dos músculosestriados são constituídos por esses 3 aminoácidos. Esses aminoácidos de cadeiaramificada auxiliam na diminuição da destruição de proteínas intracelularespara uso em energia. Dessa forma, muitos defendem a suplementação dessesaminoácidos para a construção de massa muscular magra (UNIVITTA).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram utilizados 9 potros da raça Puro Sangue Inglês (PSI)sendo 5 do sexo masculino e 4 do sexo feminino, idade entre um e dois anos,provenientesdo Haras Capricórnio e Haras Já Se Vieram que estão localizados na cidade deSorocaba- SP. Os animais foram mantidos em pasto de coastcross e recebiam ração balanceada 2 vezes ao dia e água ad libitum. Foram formados três gruposde acordo com a concentração do suplemento Crescer®que foimisturadoàração diariamente, de manhã, por um período de 60 dias. O primeirogrupo (G1) composto por três animais, sendo dois machos e uma fêmea, nãoreceberam o suplemento, o segundo grupo (G2)composto por 3 fêmeas da raça PSI recebeua dose recomendada de 90 gramas e o terceiro grupo (G3) composto por 3 machosda raça PSI  recebeu a dose máxima de 150gramas.                                                                                                                                  Paramensurar os efeitos do suplemento no ganho de peso e altura foram realizadasavaliações morfológicas em todos os animais desde o inicio da suplementação atéo final em intervalos de 15 dias. Para avaliar a segurança do produto foramanalisados perfil renal e hepático por um período de 60 diasdesde o início dasuplementação com intervalos de 7 dias, de acordo com a Tabela 1.    

D0

Início da suplementação, pesagem, altura e bioquímico.

D7

Bioquímico.

D14

Pesagem, altura e bioquímico.

D21

Bioquímico.

D28

Pesagem e altura.

D42

Pesagem e altura.

D56

Pesagem e altura.

D60

Fim da suplementação.

Tabela 1: Delineamento experimental do estudo.

A medida da altura dos animais foi realizada em local planocom auxílio de umhipômetrode alumínio da Instepposicionado na altura dacernelha até o solo.  O peso foi avaliadoatravés de uma fita de pesagem na altura da cernelha.Todas as análises foramrealizadas pelo mesmo pesquisador. Paracoleta de sangue foi realizada punção deveia jugular, com o equipamento do tipo vacutaineremtubos sem anticoagulante.Osexames bioquímicos foram realizados emmáquinasemi-automática da marca Brasmed®(Biovetsmart) as quais foramavaliadas as enzimas uréia, creatinina, aspartatoaminotransferase (AST),fosfatase alcalina (FA), Gama GT (GGT) e os valores de referências usados sãocom base na UCDAVIS

PARÂMETROS

VALORES DE REFÊNCIA

UREIA

5 – 59

CREATININA

0,9 – 2,0

AST

168 – 494

FAL

86 – 285

GGT

8 – 22

Tabela 2: Valores de referência da Universidadede Davis na Califórnia

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A suplementação com o Crescer®misturado com a ração teve boa aceitação pelos animais. Observou-se que asuplementação teve efeito no aumento de altura e ganho de peso, visto que no G1os animais mantiveram os valores de altura, já no G2os animais cresceram emmédia 2 cme no G3 os animais cresceram em média 3 cm, em 60 dias deexperimento. Isso sugere que os animaisdo G3 desenvolveram mais que os do G2.Isso se explica pelo fato de os probióticos apresentarem resultados queconfirmam seu potencial como promotor de crescimento (FULLER, 1989).

Fig. 1 Análise de altura em média dos diferentesgrupos em 5 momentos experimentais.

 

Com relação ao peso, no D0 constatou-se queos animais do G1 apresentaram peso superior ao grupo G2413 kg em comparação a330 kg dos animais do G2 e G3 330 kg em média, porém no D14 os animais do G1perderam 1 kg, os animais G2 ganharam 25 kg, nos animais do G3 não houve alteração,já no D28 os animais do G1 ganharam 1kg, os animais do G2 5 kg e os animais doG3 15kg. No D42 o animais do G1 perderam 3 kg, os animais do G2 ganharam 8 kg eos animais do G3 10 kg, no D56 os animais do G1ganharam 5 kg, os animais do G24 kg enquanto os animais do G3 ganharam 11 kg. Com isso concluímos que osanimais do G2 e G3 obtiveram ganho de pesosuperior quando comparado ao G1,sugerindo que a composição do suplemento com probiótico auxiliou na melhorconversão alimentar, na qualidade da flora intestinal e com isso levaram aosanimais a um melhor aproveitamento dos nutrientes ingeridos na alimentação(MONTES;PUGH,1993; WEESE,2002).O mananoligossacarideos (MOS) tem como função melhorar eproteger a mucosa, incrementando a digestibilidade e o teor de energiametabolizável das rações, pois propicia o desenvolvimento da flora intestinal(ALBINO et al, 2006). Além disso, a lisina é um aminoácido importante para oganho de peso diário do potro, pois faz com que aumente o apetite (COTTA; MURI;BONGIOVANI, 1988).

Fig. 2 Análise de peso em média dos diferentes gruposem 5 momentos experimentais.

 

            Comrelação às análises bioquímicas, a média de uréia no D0 dos animais do G1, G2 eG3 foi 49,16, 32,56 e 34,29 respectivamente, no D7 a média foi de 44,05, 33,4 e42,67 respectivamente, no D14 a média foi 47,96, 34,05 e 42,12 respectivamentee no D21 a média foi de 46,62, 34,61 e 39,81 respectivamente. A média decreatinina no D0 dos animais do G1, G2 e G3 foi 1,54, 1,7 e 1,3respectivamente, no D7 a média foi de 1,48, 1,2 e 1,04, no D14 a média foi de1,43, 1,23 e 1,14 respectivamente e no D21 a média foi de 1,26, 1,18 e 1,09respectivamente. A média de AST no D0 dos animais do G1, G2 e G3 foi de 277,8,234,3 e 250,3 respectivamente, no D7 a média foi de 286,9, 248,6 e 316,1respectivamente, no D14 a média foi de 266,9, 331 e 279,9 respectivamente, noD21 a média foi de 276,3 365,2 e 359 respectivamente. A média de FAL no D0 dosanimais do G1, G2 e G3 foi de 186, 157 e 182 respectivamente, no D7 a média foide 159, 181, 161 respectivamente, no D14 a média foi de 148, 195 e 189respectivamente e no D21 a média foi de 190, 230 e 207. A média de GGT no D0 dosanimais do G1, G2 e G3 foi de 11,15, 11,69 e 8,05 respectivamente, no D7 amédia foi de 11,15, 11,31 e 9,95 respectivamente, no D14 a média foi de 12,21,13,41 e 9,83 respectivamente e no D21 a média foi de 11,53, 11,85 e 12,83respectivamente. Nos três grupos todas as enzimas hepáticas e renais testadasse mantiveram dentro do valor de referência estipulado para a espécie, comodescrito na tabela 2, isso sugere não houve efeito toxico pelo suplementadotestado. Não foram encontrados outros estudos para a comparação.

           

CONCLUSÃO

A suplementação com o CRESCER®apresentouboa aceitação pelos animais. Observou-se que os animais do grupo testeresponderam de forma positiva à suplementação, comparado aos animais do grupocontrole. Concluímos que não houve toxicidade e isso foi evidenciado pelosresultados de enzimas hepáticas e renais dentro dos valores de referênciaestipulados para a espécie, garantindo a segurança do produto. Tambémconstatamos que os animais do grupo testado tiveram um maior ganho de peso ealtura comparado aos animais do grupo controle,e ainda que os animais que foramsuplementados com G3 tiveram um aumento de em média 1 cm a mais que os animaisdo G2. Com relação ao peso os animais do G2 e G3 foram superiores ao do G1. Sugere-seentão, que apesar do numero pequeno de animais, que o produto testado foieficiente em incrementar o peso e altura dos animais sem apresentar toxicidade.Novos experimentos estão sendo realizados com um numero maior de animais damesma raça e idade.


REFERÊNCIAS

ALBINO, L. F. T. et al. Uso de próbioticos a base demananoligossacarídeos em ração para frango de corte. Revista Brasil Zootecnia,v. 35, p. 742-749, 2006.

CABRAL, G., et al. Avaliação morfométrica de eqüinos da raçaMangalarga Marchador: medidas lineares. Revista Brasileira de Zootecnia, v.33, n. 4, p. 989-1000, 2004.   COTTA, J.B., MURI, M.P., BONGIOVANI,R., 1998. Efeitos da complementação de lisina e de vitaminas hidrossolúveis nocrescimento de potros mangalarga marchador. ‘O cavalo marchado’, n 15, p.1-8,1988.                                                                                        CRESCER. Suplemento ideal paracrescimento. Disponível em: <http://univitta.net/produto/crescer>. Acessoem: 25 nov. 2016.                          FIGUEIREDO, W. Lisina para potros daraça mangalarga marchador. 2002. p 626-632. Parte da dissertação para obtençãodo título de mestre em zootecnia – Universidade Federal de Lavras. SãoSebastião do Paraíso, Minas Gerais. 2002.

FULLER, R.Probiotics in man and animals. Journal of Applied Bacteriology, v. 66, n. 5, p.365-378, 1989.                                                                                                               GARCIA,F PS et al. Determinação do crescimento e desenvolvimento de potros puro sangueinglês em Bagé-RS Growthanddevelopment rates in thoroughbredfoals inBagé-Brazil, 2011.

JACKSON, S.G.; PAGAN, J. D. Growth management of young horses. A key to future success.Journal Equine Veterinaty Science, v.13, p. 10-11, 1993.                                               JORDAN, R. M.; MYERS, V. Effect ofprotein levels on the growth of weanling and yearling ponies. Journal Animal Science, Champaign,v. 34, n. 4, p. 578-581, Apr. 1972.                    LEWIS, L. D. Nutrição clinica equina:alimentação e cuidados. São Paulo: Roca, p 710, 2000.MATTOSINHO,R.; SOUZA, W.; SANT’ANA T.; PEREIRA, D.; AVANZA, M. Fechamento das placas decrescimento em eqüinos crioulos. Revista científica eletrônica de medicinaveterinária, Ano VII, n. 12, periódicos semestral, 2009.                                        MOTA, M.; OLIVEIRA, H.; FILHO, N. Avaliação do crescimentoem potros da raça Quartode milha. Revista Eletrônica de Veterinária, v. 11,n.1, jan. 2010. Disponível em: <http://www.veterinaria.org/revistas/redvet >. Acessoem: 7 nov. 2016.

MONTES, A. J,; PUGH, D. G. The use of probiotics infood-animal practice.Veterinary Medicine, v.88, p 282-288, 1993.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL.Nutrient requeriments of horses.5. ed.rev. Washington, p. 100, 1989.

PAGAN J. D.;JACKSON S. G.; CADDEL S. A summary of growth rates of thoroughbreds inKentucky. KentuckyEquineResearch, v.12, n.3, p.285-289, 1996.

SILVA, L. P.; NÖRNBERG, J. L.Prebióticos na nutrição de não ruminantes.Ciência Rural, v. 33, n. 5,p.983-990, 2003.                                                                                                      OTT, E. A. et al. Influence ofprotein level and quality on the growthand development of yearling foals. Journalof animal science, v. 49, n. 3, p.620-628, 1979.                          PALAGI, Mayara. Avaliação do uso de óleos essenciais elevedura Saccharomycescerevisiaeemdieta para equinos. 2015. Dissertação (Pós-Graduação emNutrição e Produção Animal)- Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia daUniversidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Acessoem: 24 nov. 2016.                  

POTTER, G.D.; OLD, F. F.; HOUSEHOLDER, D. D.; HANSEN, D. H. Digestion of starch in thesmall or large intestine of the equine. In: Europeanequinenutritionconference, 1., Hannover. Proceedings,p. 107-111, 1992a.                                                                REZENDE,de ASC et al. Efeito de dois diferentes programas nutricionais sobre odesenvolvimento corporal de potros Mangalarga Marchador. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n. 2, p. 495-501, 2000.                                                                                              SOARES, A. Mineraisorgânicos na alimentação de potros. 2007. Dissertação (Mestrado emNutrição e Produção Animal) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia,Universidade de São Paulo, Pirassununga, 2007. Acesso em: 25 nov 2016.

UCDAVIS.Clinical Chemistry Reference Intervals. Disponível em: www.vetmed.ucdavis.edu/vmth/lab_services/clinical_labs/about/labs.cfm Acesso em: 3 abril 2017.

VASCONCELOS, O. F. F.; BORANELO, L.F.; OLIVEIRA, G. J.; BERGMANN, G. J. Efeitos genéticos e de ambiente sobre parâmetros da curta de crescimento de equinos da raça Brasileira de Hipismo emestiços. In: VIII Simpósio Brasileiro de Melhoramento Animal, 2010. Maringá,PR, p. 3, 2010.

WEESE, J. S.Probioctis, prebiotics and synbiotics.Journal Equine Veterinary Science, v. 22,n. 8, p. 357-360, 2002.



Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Compartilhe este post:

Postado Por: Allan Rômulo

Allan Rômulo
Medico Veterinário, empresário fundador da Univittá Saúde Animal, pós graduado em administração de empresas pela FGV. Formulador e desenvolvedor de tecnologias para nutrição animal, com experiência em marketing veterinário e venda de produtos de conceito.

Leia Também:

Gostou deste post? Deixe seu comentário