Blog da Univittá

Dermatite Digital em Bovinos

Dermatite Digital em Bovinos

Dermatite Digital

A dinâmica da dermatite digital em gado leiteiro

E o estado gerenciável da doença

 

Dörte Döpfer, DVM, MSc, PhD, assistant professor Food Animal Medicine, School of Veterinary Medicine, UW Madison, Madison, WI 53706, USA Phone: +1 (608) 2361186, email: dopferd@vetmed.wisc.edu

Definição de dermatite digital a partir da palestra sobre o Atlas Internacional de Lesões de pés de bovinos (Greenough et al 2008):Dermatite Digital (DD): uma ulceração superficial circunscrita da pele ao longo da coronária banda, comumente na planta interdigital, ponta do pé traseiro.

Apresentação clínica e localização: 

A dermatite digital é uma dermatite superficial multifactorial, infecciosa, da pele digital de bovinos que pode ser muito doloroso ao tocar e tem um odor fétido característico. Em sua maioria o sítio comum das lesões DD é o cume interdigital palmar / plantar do pé - especialmente o pés traseiros, mas outras referencias incluem a pele da fenda interdigital onde podem ser encontrados nas Hiperplasias Interdigitais, a pele ao redor das garras de orvalho, o calcanhar, às vezes submersas a sola e o aspecto dorsal da banda coronariana, onde podem estar associados a uma rachadura de parede vertical. Uma margem epitelial branca e pelo excessivo foram descritos em torno de lesões agudas de DD ulcerativas, enquanto que estágio mais crônico de DD está associado a Disceratose, proliferação epitelial filamentosa ou em massa.As lesões DD ou intermediárias são pequenos defeitos epiteliais circunscritos que foram descritos como 'Queratólise Bacteriana Focal' por Read et al. (1998). Casos negligenciados de DD aguda ulcerativa pode desenvolver infecções das estruturas digitais profundas que podem requerer cuidados cirúrgicos para recuperação.As alterações histopatológicas da pele digital bovina afetadas por lesões agudas de DD ulcerativas são semelhantes em muitos países, conforme relatado por Read et al. (1998).

Etiologia: 

A dermatite digital é considerada uma doença infecciosa multifatorial com uma bactéria muito agressíva. Os melhores candidatos para agentes bacterianos etiológicos de DD são espiroquetas do Treponema spp. Estreitamente relacionado com Treponema phagedaenis, T. vincentii / T. Médio e T. Denticola (Evans et al 2009, Strub et al., 2007, Choi et al 1997). A discussão sobre a etiologia da DD não é conclusiva e os postulados de Koch não foram cumpridos para provar a etiologia de DD (Read and Walker, 1997).Outras espécies bacterianas isoladas a partir de lesões DD agudas são Fusobacterium spp., Campylobacter spp., Prevotella spp. Entre muitos outros.

Epidemiologia e fatores de risco: 

O gado jovem mantidos sob condições anti-higiênicas em fazendas que adquire bovinos infectados e intalaçoes cotaminadas são propensas a desenvolver lesões agudas de DD ulcerativas que podem se acumular ao longo do tempo para produzem surtos associados à claudicação e perdas de produção (Rodriguez-Lainz et al. 1999, 1996). Outros fatores de risco são baixa paridade nos estágios iniciais de lactação, onde o gado é mantido em ambientes fechados, vacas produtoras de alta produção, currais úmidos e bovinos afetados pela dermatite intradigital (ID) e hiperplasias interdigitais (Holzhauer et al., 2006, Somers et al. 2005, Rodriguez-Lainz et al. 1999, 1996). 

Controvérsia e História: 

As lesões de dermatite digital foram descritas pela primeira vez por Cheli e Mortellaro em 1974, mas os relatos da doença são são descritos muitos anos antes (Brizzi, comunicação pessoal, 1992). As fotos de lesões DD podem ser encontradas nas primeiras publicações sobre identificação (Toussain Raven e Cornellisse 1969) que reflete a possibilidade de que o DD precoce tenha sido mal classificado antes sendo reconhecido como uma doença de casco sozinha.Durante os anos oitenta e início dos anos noventa do século passado, a doença causou preocupação devido aos surtos recorrentes e explosivos com aumento da gravidade clínica das DD aguda ulcerativa. Esses surtos recorrentes tornaram o DD uma das mais importantes doenças infecciosas com incidência crescente em todo o mundo, uma preocupação de saúde pública devido ao uso de agentes antibióticos durante o controle de DD e uma preocupação séria de bem-estar animal devido a longos episódios dolorosos de DD associados à claudicação. Os veterinários de todo mundo ainda não conseguiram eliminar a DD dos bovinos desde a sua  sua primeira aparição e, conseqüentemente, a DD tomou seu lugar entre as doenças mais importantes da produção (Frankena et al 2009). Nos estágios iniciais, agudos e crônicos de DD pode variar de acordo com a região do mundo onde na América do Norte são identificadas mais lesões proliferativas, conforme relatado pelo termo “Hairy Heel Warts” em comparação com a Europa Ocidental a DD aguda parece ser menos proliferativa ou detectada anteriormente. Outra discussão polêmica se desenvolveu em torno de se questionar se a DD e ID fazem parte da mesma síndrome da doença digital chamada 'Dermatite'. Esta discussão é justificada pelo fato de que o DD crônico é identificado por uma sobreposição na manifestação clínica da pele digital disqueratósica e pelo fato da DD não possuir etiologia clara. 

Sistema de classificação e pontuação para diferentes estágios de DD: 

A idéia de classificar os diferentes estágios decorre de acompanhamento longitudinal das lesões, onde inicialmente a pele digital bovina inalterada desenvolve lesões precoces, seguida de aguda lesões ulcerativas, e progride para estádios crônicos que podem apresentar discopatose ou aspectos proliferativos do epitélio digital anormal.

Os estádios M representam estágios durante o curso da DD (Greenough et al 2008, Döpfer et al 2004, Döpfer et al. 1997). Aqui, o 'M' significa 'Mortellaro'. Os cinco estágios M são definidos como:

  • - M0: pele digital normal sem sinais de DD, alguns autores encontraram Dificuldades para encontrar um exemplo para a pele digital bovina intacta sem sinais de qualquer doença, mas animais jovens, como bezerros e novilhas pré-parto são candidatos, sendo negativos de qualquer doença de casco.
  • - M1: início, pequeno defeito epitelial vermelho a cinzento circunscrito de menos de 2 cm em diâmetro que precede os estágios agudos de DD (M2). Além disso, os estágios M1 podem aparecer Entre episódios agudos de lesões DD ou nas margens de uma lesão M4 crônica como um estágio intermediário.
  • - M2: lesão de pele aguda, ulcerativa (vermelho brilhante) ou granulomatosa (vermelho-cinza) Alteração, > 2 cm de diâmetro, comumente encontrada ao longo da banda coronária, além de em torno das garras de orvalho, em rachaduras de parede e ocasionalmente como um único defeito.
  • - M3: lesão onde o estágio agudo da doença cobriu-se de uma superfície firme e a cura pode ocorrer dentro de 1 a 2 dias após a terapia tópica.
  • - M4: lesões crônicas tardias que podem estar principalmente com epitélio espessado ou ser proliferativa ou ambas. As proliferações podem ser filamentosas, escamas ou massa proliferativa.
  • - M4.1: esse estágio refere-se ao pé cronicamente afetado que exibe o M4 além do estágio M1.


Os animais podem ser classificados dentro de três cursos da doença. Este sistema já foi usado antes em ensaios clínicos, em monitoramento de rebanhos e em modelos de transmissão de DD (Holzhauer et al 2008, Döpfer et al 2004):

  • - Tipo 1: um animal que não desenvolve lesões M2 agudas de DD, mas pode mostrar M1 ou M4 estágios de DD.
  • - Tipo 2: um animal que desenvolve uma lesão aguda de M2 ??seguida de um longo período caracterizado pela ausência de DD aguda (o período de ausência de M2 ??agudo). As lesões dependem do período de observação para um determinado projeto de estudo, mas podem variar de vários meses a anos.
  • - Tipo 3: um animal que desenvolve episódios repetidos de lesões M2 agudas dentro de um período de tempo definido (o intervalo de tempo entre episódios repetidos de lesões M2 podem levar de 10 a 14 dias)

A Figura 1 ilustra os diferentes estádios M ao longo do DD.

Conclusão

A dermatite digital não foi eliminada dos rebanhos bovinos desde o seu surgimento e a doença está aqui para ficar, com um número crescente de lesões crônicas em alterações endêmicas rebanhos. É de grande importância definir o programa de prevenção e controle, e as melhores práticas para alcançar o estado endêmico para DD que seja aceitável para os produtores e a saúde dos cascos. Este nível aceitável de infecção toleraria casos esporádicos individuais de claudicação e lesões DD agudas (M2) que são prontamente detectadas e tratadas eficientemente. Nesse senário ideal os surtos de lesões agudas seriam prevenidos usando os melhores cascos de modelo, além de registros padrão sobre claudicação, corte e tratamentos. Em longo prazo, todo o bovino seria registrado de acordo com seu grau de DD.

Estas seriam as estratégias para definir o “gerenciável estado da doença ".

Figura 1: os diferentes estádios de DD durante o curso da doença

References:

Cheli, R. and C.M. Mortellaro 1974. La dermatitis digitale del bovino. Proc. 8th International Conference on Diseases of Cattle, Milan Italy, Proc. 208-213.

Choi, B.K., H. Nattermann, S. Grund, W. Haider, and U.B. Göbel 1997. Spirochetes from digital dermatitis lesions in cattle are closely related to treponemes associated with human periodontitis. Int. J. Syst. Bacteriol. 47:175-81

Greenough, R., Mülling, C., Döpfer, D., and D. Tomlinson (2008). International atlas of lesions of cattle feet. Proc. XVth International Symposium for Lameness in cattle and Disorders of the ruminant digit in Kuopio, Finland, 9th to 12th of June, 2008, Keynote lecture

Döpfer, D., R.M. van Boven, and M.C.M. de Jong (2004). A mathematical model for the dynamics of digital dermatitis in dairy cattle. 13th ICPD July 19th to 22nd 2004, Lansing/MI/USA. Proc. p 36

Döpfer D., A. Koopmans, F.A. Meijer, I. Szakall, Y.H. Schukken, W. Klee, R.B. Bosma, J.L. Cornelisse, A.J.A.M. van Asten, and A.A. ter Huurne 1997. Histological and bacteriological evaluation of digital dermatitis in cattle, with special reference to spirochaetes and Campylobacter faecalis. Vet Rec. 140(24):620-3.

Evans, N. J., Brown, J. M., Demirkan, I., Murray, R. D., Vink, W. D., Blowey, R. W., Hart, C. A., Carter, S. D. 2009. Three unique groups of spirochetes isolated from digital dermatitis lesions in UK cattle. Vet Microbiol 130:141-50

Frankena, K., Somers, J. G., Schouten, W. G., van Stek, J. V., Metz, J. H., Stassen, E. N., Graat, E. A., 2009. The effect of digital lesions and floor type on locomotion score in Dutch dairy cows. Prev Vet Med 88:150-7

Holzhauer, M., Bartels, C. J., Dopfer, D., van Schaik, G. 2008. Clinical course of digital dermatitis lesions in an endemically infected herd without preventive herd strategies. Vet J 177:222-30.

Holzhauer, M., Hardenberg, C., Bartels, C.J. and Frankena, K. 2006. Herd- and cow-level prevalence of digital dermatitis in the Netherlands and associated risk factors. J. Dairy Sci. 89(2):580-8

Read, D.H., and R.L. Walker 1998. Papillomatous digital dermatitis (footwarts) in California dairy cattle: clinical and gross pathologic findings. J. Diag. Invest. 10:67-76.

Rebhun, W.C., M. Payne, J.M. King, M. Wolfe, and S.N. Berg (1980). Interdigital Papillomatosis in dairy cattle. JAVMA 177:437-44

Rodriguez-Lainz, A., P. Mellendez-Retamal, D.W. Hird, D.H. Read and R.L. Walker 1999. Farm- and host-level risk factors for papillomatous digital dermatitis in Chilean dairy cattle. Prev. Vet. Med. 42:87-97.

Rodriguez-Lainz, A., D.W. Hird, R.L. Walker and D.H. Read 1996. Papillomatous digital dermatitis in 458 dairies. JAVMA 209:1464-67.

Somers, J.G., Frankena, K. and E.N. Nordhuizen-Stassen 2005. Risk factors for digital dermatitis in dairy cows kept in cubicle houses in The Netherlands. Prev. Vet. Med. 71(1- 2):11-21.

Strub, S., J.R. van der Ploeg, K. Nuss, C. Wyss, A. Luginbühl and A. Steiner 2007. Quantitation of Guggenheimella bovis and treponemes in bovine tissues related to digital dermatitis. FEMS Microbiol. Lett.269(1):48-53

Toussain Raven, E. 1969. Footrot in cattle [Een specifieke, besmettelijke ontsteking van de tussenklauwenhuid bij het rund]. Tijdschr. Diergeneesk. 94:190-207 in Dutch

Walker, R.L., D.H. Read, K.J. Loreta and R.W. Nordhausen 1995. Spirochetes isolated from dairy cattle with papillomatous digita dermatitis and interdigital dermatitis. Vet. Microbiol. 47:343-55

Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Compartilhe este post:

Postado Por: Administrador

Administrador

Leia Também:

Gostou deste post? Deixe seu comentário