Blog da Univittá

Vacinação para cavalos, saiba como fazer e quais vacinas utilizar

Vacinação para cavalos, saiba como fazer e quais vacinas utilizar

A importância da vacinação vai muito além da proteção daquele indivíduo vacinado. Reduzindo o número de casos de uma doença infecciosa, diminui também sua chance de transmissão. Além disso, a vacinação reduz gastos com medicamentos, reduz mortandade e é essencial na erradicação de doenças. É importante lembramos que a vacina atua como um agente preventivo, devendo ser utilizada antes do contágio. 
A manutenção da vacina deve ser feita com refrigeração na temperatura adequada, seguindo as indicações do fabricante, para que o produto não se perca. 
No momento da vacinação, o cavalo deve estar livre de vermes e carrapatos, sem desequilíbrio nutricional ou hormonal para garantir a resposta à vacina. Pelo mesmo motivo animais com febre, infecção ou virose também devem esperar completa recuperação para serem vacinados.
O proprietário deve estar ciente de que a vacina serve para minimizar os riscos da infecção, mas não é capaz de prevenir patologias em todas as circunstâncias. A ideia de que a vacinação protege contra doenças deve ser acompanhada de um bom manejo sanitário e alimentar, ou seja, devemos trabalhar com o conceito de excelência nos cuidados básicos e não vacinar pura e simplesmente.

Essas são as 5 vacinas mais importantes para o seu animal:
  1. RAIVA: Exigida pelo Ministério da Agricultura e Secretarias Estaduais, em todo o território nacional, necessária para emissão de GTA e outras certidões para o animal. É importante que seu animal seja vacinado contra essa zoonose, impedindo que contamine as pessoas que trabalham com ele.
  2. INFLUENZA: Exigida para admissão na maioria dos estabelecimentos equestres e em eventos onde ocorra aglomeração de equinos.
  3. ENCEFALOMIELITE: Exigida para animais portadores de passaporte e para admissão na maioria dos estabelecimentos e eventos equestres.
  4. RINOPNEUMONITE: Exigida de forma esporádica em alguns estabelecimentos e eventos equestres, porém de grande importância devido à grande difusão do Herpes vírus equino.
  5. TÉTANO: Apesar de não existir exigência oficial a respeito desta vacina, ela é uma das mais importantes já que o equino é uma das espécies mais susceptíveis a está doença, que muitas vezes é fatal.

Esquema de vacinação utilizado em equinos:

VACINA

DOENÇAS

ADULTO

POTRO

ÉGUA PRENHE

Lexington-8

Encefalomielite; Rinopneumonite; Influenza e Tétano

Revacinação semestral

3 doses com intervalo de 2 a 4 semanas entre as aplicações, a partir dos 3 meses de idade.

5º, 7º e 9º meses de gestação

Tri-Equi

Encefalomielite Viral Equina; Tétano e Influenza Equina I e II.

Anual

1ª dose com 9 meses de idade; 2ª dose 28 dias após a primeira

Anual

Fluvac Innovator EWT

Encefalomielite

Anual

1ª dose na desmama; 2ª dose 3 a 4 semanas depois.

Anual

Encefalogen Equina

Encefalomielite e Tétano 

Anual

3 doses com intervalo de 2 a 4 semanas entre as aplicações, a partir de 3 meses de idade

Anual

Rabmune; Ourovac; Rai-Vet; Raiva Vencofarma

Raiva

Anual

1ª dose com 3 meses; 2ª dose 30 dias depois

Anual

Leptoequus

Leptospirose

Revacinação semestral

1ª dose a partir de 4 meses de idade e dose de reforço 30 dias após

Devem ser vacinadas de acordo com o protocolo individual de vacinação

Pneumbort

Rinopneumonite

A cada 6 meses

1ª dose na desmama; 2ª dose 3 a 4 semanas depois; 3ª dose 6 meses após a 2ª.

2 mL no 5º, 7º e 9º mês de gestação.

Vacina Hertrape contra Garrotilho

Adenite Equina

Anual

3 doses da vacina com intervalos de 2 a 4 semanas por via intramuscular, 1ª dose na desmama.

Anual

Considerações Importantes:

  • Animais que nunca foram vacinados: aplicar 2ª dose 30 dias após a 1ª;
  • Nos potros, depois do esquema inicial, fazer reforço aos 12 meses de idade e, posteriormente, seguir o mesmo desenho dos equinos adultos
  • Nas éguas gestantes: uma dose de reforço (contra Tétano, Influenza e Encefalomielite) pode ser feita 30 dias antes do parto para aumentar os níveis de anticorpos no colostro e, consequentemente, para o potro nascer com imunidade maior contra essas doenças.

Quando falamos em imunização, a parte principal será a capacidade de resposta imune que o animal conseguirá dar frente a vacina. Dessa forma, com trabalhos que comprovam a eficacia a Univittá lançou o MOS, um aditivo funcional prebiótico que atua no intestino do animal estimulando a produção principalmente das IgG, responsável pela imunidade específica (vacinas). 

Assim, vale muito a pena a administração de MOS 30 dias antes da imunização ser efetuada.


Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Compartilhe este post:

Postado Por: Letícia Simões

Letícia Simões
Estudante de Medicina Veterinária USP Pirassununga FZEA , estagiária no laboratório de pesquisa em saúde digestiva e desempenho de equinos, atualmente envolvida em um experimento sobre nutrição do casco equino e trabalha no marketing da Univitta Saúde Animal.

Leia Também:

Gostou deste post? Deixe seu comentário