Blog da Univittá

Quando e porque devemos fazer o tratamento odontológico nos equideos?

Quando e porque devemos fazer o tratamento odontológico nos equideos?
 
   É uma pergunta que ouvimos frequentemente, o primeiro tratamento deve ser feito no início de doma, próximo aos dois anos e meio de idade, justamente para preparar a arcada dentaria do equídeo para receber a embocadura, nesse primeiro tratamento é feito a extração dos primeiros pré-molares, popularmente conhecidos como ``dente de lobo,´´  que é um dente flutuante, ou seja, não tem raiz, esses elementos dentários estão em contato direto com a embocadura, provocando desconforto, na doma ou no trabalho, nesse primeiro tratamento também é feito a redução das pontas de esmalte, acento de embocadura e correção das arcadas dentárias.

  O Tratamento Odontológico ou Odontoplastia deve ser realizado periodicamente, no início de doma, até o animal completar cinco anos de idade, esse tratamento deve ser repetido a cada seis meses, por conta das trocas dentarias que terminam aos cinco anos, nesse período a arcada dentaria dos animais estão em constante mudança, após os cinco anos de idade o tratamento pode ser feito anualmente, lembrando que os dentes dos equídeos crescem durante a vida toda por isso devemos ficar atentos as patologias dentarias.

   Existem vários sintomas que o equídeo nos mostra quando não tem um acompanhamento odontológico efetivo, sendo alguns deles;

  • Animal come uma quantidade considerável de alimento e não ganha peso.
  • Derruba alimento da boca.
  • Reação à embocadura.
  • Salivação excessiva.
  • Nervosismo ao trabalho.
  • Episódios de cólica com frequência.
  • Aumento de volume na mandíbula e/ou maxila.
  • Sinusite
  • Odor fétido na boca. 
   Com o aparecimento de alguns desses sintomas o animal, com certeza, está com algum problema odontológico, podendo ser solucionado com uma simples correção, que engloba;

  • Desgaste das pontas de esmalte.
  • Desgastes dos ganchos e rampas
  • Acento de embocadura.
  • Extração dos dentes de lobo.
  • Ajuste oclusal da mesa dentaria.
  • Palatite ou travagem
  • Remoção das placas bacterianas
    
 Ou, em alguns casos, evoluindo para casos mais severos, tais como;

  • Fraturas de Coroa
  • Fraturas Sagitais
  • Fraturas de Raiz
  • Exposição de canal pulpar
  • Infecção Peri-apical (infecção de raiz).
    Nesses casos a intervenção é cirúrgica, ocasionando um desconforto maior para o animal e um retorno mais demorado ao trabalho, sendo que, com o tratamento odontológico convencional essas patologias acima citadas podem ser evitadas e o animal retorna ao trabalho depois de um ou dois dias.

   Os animais estabulados tem um percentual maior no aparecimento desses sintomas, isso ocorre porque esses indivíduos recebem em média duas ou três refeições diárias, o restante do tempo os dentes não tem função mastigatória nenhuma, proporcionando o aumento das pontas dentarias e outras patologias, por outro lado os animais criados em vida livre, mastigam em média 16 a 18 horas por dia, promovendo um desgaste natural dos dentes.

   Por isso devemos ficar atentos ao início desses episódios citados acima, pois o animal pode estar com algum problema dentário, sofrendo em silencio, lembrando que no caso da odontologia equina a prevenção é o melhor remédio, pois um animal que passa por tratamento odontológico periódico tem um índice maior no aproveitamento da alimentação e no trabalho, reduzindo o desperdício alimentar, riscos de cólicas e facilidades no manejo.

   Procure sempre um médico veterinário especialista em odontologia equina para cuidar do seu animal, promovendo uma saúde bucal de qualidade e bem estar. 

NOTA Univitta Saúde Animal:

O Pro-SACC aditivo probiótico, quando utilizado na alimentação equina beneficia de diversas formas os animais, principalmente os animais que apresentam disfunção odontológica, pois eles não apresentam plena capacidade de triturar os alimentos na boca, o que prejudica muito a digestão e absorção dos nutrientes que são ingeridos na alimentação. 
o animal ingerindo o alimento de forma grosseira, apresenta dificuldades na digestibilidade, o que pode prejudicar o ganho de peso e ou o desempenho atlético. 
o Pro-SACC, pode ser uma importante ferramenta, favorecendo a digestibildade da dieta como um todo do animal e melhorando ainda mais a absorção dos nutrientes assim como a produção e síntese de vitaminas. mesmo em animais que já apresentam sua dentição em perfeita função o Pro-SACC vem a aprimorar e beneficiar ainda mais a produtividade e o desenvolvimento desses animais. 


FABIO FEITOSA
MÉDICO VETERINÁRIO
CRMV-SP 36236
(19) 99684-9299
fabiofeitosa.vet@gmail.com

Saiba onde comprar produtos Univittá:
Encontre o revendedor mais próximo.
Compartilhe este post:

Postado Por: Fabio Feitosa

Fabio Feitosa
Médico Veterinário, Curso de Odontologia Equina pela Universidade do Cavalo em 2013, Formado em 2014 pela Universidade Max Planck de Indaiatuba, Curso prático de primeiros socorros pela Equine Vet em 2015, Membro da ABOE (Associação Brasileira de Odontologia Equina), Participante do 2° Congresso IB VET Encontro Internacional de Odontologia Equina 2017

Leia Também:

Gostou deste post? Deixe seu comentário